Figuras da Sintaxe

 Elipse

Designa a omissão de palavras que podem ser facilmente subentendidas. A sua utilização torna o enunciado mais condensado e incisivo.

Exemplos:
As escadas escuras. A porta e a luz, de repente, nos olhos desabituados. A luz forte da rua num dia de Sol.

Neste exemplo, em cada uma das frases foi omitido o verbo, ficando cada uma delas reduzida aos elementos essenciais. O resultado são três pequenos traços descritivos, sugerindo de forma incisiva o salto abrupto da escuridão para a luz.

  • Eu vi coisas lindas, realmente emocionantes; ela, coisas abomináveis, terríveis aos seus olhos.[omitiu-se o verbo ver em ela (viu) coisas abomináveis…];
  • Rico, podia fazer o que quisesse [omitiu-se a oração inteira: (Porque era) rico, podia fazer o que quisesse];
  • Empreste-me essa folha [omitiu-se de papel: folha (de papel)];
  • Todos esperamos se faça justiça [omitiu-se a conjunção que: esperamos (que) se faça justiça]

Zeugma

Um adjetivo ou um verbo ligam-se, simultaneamente, a realidades concretas e abstratas. Quase sempre o zeugma tem um grande impacto sobre o leitor, devido à associação inesperada de realidades muito diferentes.

Exemplos:
Na terra dele só havia mato; na minha, só prédios. […na minha, só (havia) prédios]
Meus primos conheciam todos. Eu, poucos. [Eu (conhecia) poucos]

Observação: quando a flexão do verbo omitido é exatamente a mesma do verbo da oração anterior, tem se a zeugma simples. Quando a flexão é diferente, tem-se a zeugma complexa.

Pleonasmo

É a reiteração, a repetição, o reforço de uma idéia já expressa por alguma palavra, termo ou expressão. É reconhecido como figura de sintaxe quando utilizado com fins estilísticos, como a ênfase intencional a uma idéia; sendo resultado da ignorância ou do descuido do usuário da língua, é considerado como um vício de linguagem (pleonasmo vicioso).

Exemplos:

  • Vamos sair fora! (se é sair, obviamente é para fora)
  • Que tal subir lá em cima e tomar um bom vinho? (se é subir, obviamente é para cima)
  • “Eu nasci há dez mil anos atrás” (se é há, só pode ser atrás)
  • Essa empresa tem o monopólio exclusivo da banana (se é monopólio, obviamente é exclusivo)
  • A mim, você não me engana (o verbo enganar tem dois complementos – a mim e me; eis um caso de objeto pleonástico)

Observação:um recurso literário bastante difundido é o epíteto de natureza, que não deve ser considerado como um pleonasmo vicioso. Serve, por fins estilísticos, para reforçar uma característica que já é natural ao ser.

Exemplos: céu azul, pedra dura, chuva molhada.

Inversão

É, como o próprio nome diz, qualquer inversão da ordem natural de termos num enunciado, a fim de conferir-lhe especiais efeitos e reforços de sentido. Podem-se considerar como tipos de inversão o hipérbato, a anástrofe a prolepse e a sínquise.

Exemplo:
Sua mãe eu nunca conheci (a ordem natural seria Eu nunca conheci sua mãe).

Hiperbáto

Tipo de inversão que consiste, geralmente, na separação de termos que normalmente apareceriam unidos, por meio da interposição de um elemento interferente, isto é, algo que interfere. Hoje em dia, porém, costuma-se tomar o hipérbato como sinônimo de qualquer tipo de inversão.

Exemplos:

  • A roupa, você verá, preta que comprei é linda [aqui o núcleo do sujeito (roupa) foi separado de seu adjunto adnominal (preta) por meio de uma oração interferente].
  • Compraram as mulheres vários presentes para os maridos (aqui houve asimples inversão entre o verbo e o sujeito).

Anástrofe

É a inversão entre termo determinante (aquele que determina, constituído de preposição + substantivo) e o determinado, que passa a vir depois do determinante.
Exemplos:

  • Da igreja estava ela na frente [a ordem natural seria Ela estava na frente daigreja; Da igreja é o termo determinante, que, na anástrofe, veio antes do determinado (frente)]
  • Aqueles rapazes, sim, por dinheiro são muito ávidos [a ordem natural seria Aqueles rapazes, sim, são muito ávidos por dinheiro; Por dinheiro é o termo determinante, que, na anástrofe, veio antes do determinado (ávido)]

Sinquise

Essa palavra vem do grego (sýgchysis) e significa confusão. É a inversão muito violenta na ordem natural dos termos, de modo que a sua compreensão seja seriamente prejudicada. Consiste, segundo alguns autores, em um vício de linguagem, e não em uma figura de sintaxe com fins estilísticos.

Exemplos:

  • “Ouviram do Ipiranga as margens plácidas de um povo heróico o brado retumbante” (ordem natural: As margens plácidas do Ipiranga ouviram o brado retumbante de um povo heróico)
  • Da verdade aquelas pessoas todas muito honestas você pode acreditar que sabiam (ordem natural: Você pode acreditar que todas aquelas pessoas, muito honestas, sabiam da verdade).

Prolepse
 (ou antecipação):

Deslocamento do termo de uma oração para a oração anterior.

Exemplos:

  • O Ministro do Planejamento dizem que vai pedir demissão [o sujeito daoração vai pedir demissão (o Ministro do Planejamento) foi deslocado para antes da oração principal (dizem)]
  • Essas frutas parece que não prestam [o sujeito da oração não prestam (Essas frutas) foi deslocado para antes da oração principal (parece)]

Assíndeto

Vem do grego, syndeton, que significa conjunção. É a ausência de conjunções coordenativas (aquelas que ligam orações ou termos coordenados, independentes) no encadeamento dos enunciados.

Exemplos:
Ela me olhava, lavava, olhava novamente, espirrava, voltava a trabalhar (não apareceu conjunção alguma para ligar as orações).
Eu nunca tive glória, amores, dinheiro, perdão (não apareceu conjunção alguma para ligar os termos que complementam o verbo ter).

Polissíndeto

Consiste na repetição significativa da conjunção “e”. Como é fácil perceber, a repetição da conjunção tem um carácter intensificador.

  • E sofria crises — más crises… 
  • Enfim, com a graça de Deus, e regime, e leite, e descanso, ainda esperava arrastar uns anos.
  • Ela me olhava, e lavava, e olhava novamente, e espirrava, e voltava a trabalhar (foi repetida a conjunção coordenativa aditiva e).
  • Eu nunca tive glória, nem amores, nem dinheiro, nem perdão (foi repetida a conjunção coordenativa aditiva nem).

Anacoluto

Consiste na alteração da construção sintáctica a meio da frase. O anacoluto é muito frequente na linguagem falada. A rapidez do discurso e a impossibilidade de construir mentalmente toda a frase, faz com que, em frases mais longas, se perca a coerência lógico-gramatical.
Essa possibilidade é, por vezes, intencionalmente utilizada na linguagem literária para obter efeitos expressivos.

Exemplos:

  • O José, sinceramente parece que ele está ficando louco (perceba que O José deveria ser sujeito de uma oração, mas ficou sem predicado, solto na frase; houve a quebra da seqüência sintática esperada).
  • Cantar, sei que todos devem cantar (viu como o verbo cantar está sobrando? Parece que o autor decidiu mudar a ordem da oração, sem nos avisar)

Observação: o anacoluto deve ser usado cuidadosamente na linguagem escrita. Exige experiência, estilo e intencionalidade por parte de quem escreve, para que não se confunda com uma confusão mental ou deficiências de estruturação do texto.

Silepse

É a concordância que se faz com a idéia, e não com a palavra expressa. Étambém chamada de concordância ideológica. Há três tipos de silepse: de gênero (a concordância se faz com a idéia feminina ou masculina); de número (a concordância se faz com a idéia singular ou plural); e de pessoa (a concordância se faz com uma pessoa gramatical diferente da expressa pela
palavra)

Exemplos:

  • São Paulo realmente é linda [silepse de gênero – o adjetivo linda ficou no feminino porque concorda com a idéia (a cidade de) São Paulo]
  • Vossa Excelência pode ficar tranqüilo e calmo [silepse de gênero – os adjetivos tranqüilo e calmo ficaram no masculino porque concordam com a idéia: a pessoa a quem se dirige o pronome de tratamento Vossa excelência é homem]
  • Os paulistas somos bem tratados no Paraná [silepse de pessoa – o verbo ser concorda com a primeira pessoa do plural (nós), apesar de o sujeito expresso ser Os paulistas (terceira pessoa do plural). Com esse recurso, o emissor da mensagem quis passar a idéia de que ele também é paulista; de que ele se inclui entre os paulistas]
  • A gente não quer só alimento. Queremos amor e paz [silepse de número – o verbo querer ficou no plural, e seu sujeito oculto (A gente) é singular]

Observação: a principal diferença entre silepse de pessoa e de número é que na de pessoa o emissor da mensagem se inclui no sujeito de terceira pessoa do plural.

Repetição

É a repetição de palavras que tem por finalidade exprimir a ideia de insistência, progressão e intensificação. Quando se repetem adjetivos ou advérbios, é uma maneira de se fazer o grau superlativo.

Exemplos:
Aquela moça era linda, linda, linda.
E, enquanto tudo isso acontecia, a garota crescia, crescia.
O sol estava claro, claro; eu mal podia enxergar.

Onomatopéia

Consiste na criação de palavras com o intuito de imitar sons ou vozes naturais dos seres. É, na verdade, um dos processos de formação das palavras, que cabe à Morfologia.

Exemplos:
Ouviu o tilintar das moedas (o verbo tilintar imita o som de moedas se entre chocando).
Quando a insultei, slapt! (a palavra slapt imita o ruído provocado por um tapa).

Elisa Oliveira

Website:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *